Nintendo trabalha com a NVIDIA num novo Switch com DLSS e Ray Tracing

Vignette
Escrito por Guillaume
Data de publicação : {{ dayjs(1646586016*1000).local().format("L").toString()}}
Este artigo é uma tradução automática

Os rumores de um novo Switch são apoiados pelos recentes vazamentos do ataque cibernético da NVIDIA.

Entre os muitos documentos roubados da NVIDIA estavam o código fonte para o Deep Learning Super Sampling - a técnica de super amostragem da NVIDIA - e muitas informações sobre a próxima geração de placas gráficas do gigante americano. Mas não é tudo, e vários documentos vieram apoiar a ideia de que a Nintendo não só está a trabalhar numa nova versão da sua consola Switch, como o está a fazer de mãos dadas com a NVIDIA.

Em princípio, a associação entre as duas empresas não é realmente surpreendente. Vale a pena lembrar que a NVIDIA está por trás do chip Tegra X1 modificado que alimenta o primeiro Switch. Por isso é natural que a Nintendo e a NVIDIA estejam a "re-signar" hoje. Não, onde as coisas ficam mais "suculentas" é quando se olha para os detalhes destas fugas. Até agora, os rumores de um novo Switch - Switch Pro ou Switch 2 - têm sido no mínimo nebulosos: tem sido algo como um segredo aberto, mas nenhuma informação tangível tem sido dada.

Entre os vários arquivos roubados da NVIDIA, alguns teriam notado a presença de uma pasta "NVN2" que reuniria arquivos com um nome no mínimo sugestivo: "nvndlss.cpp", "nvn_dlss.cpp" e "nvn_dlss_backend.h". Você não precisa ser um especialista para notar as menções do DLSS em cada um deles. Além disso, "nvn" é o nome da API gráfica do Nintendo Switch: então a versão 2 seria capaz de explorar o famoso DLSS?

Outras informações referem-se ao Tegra T239 Orin SoC assinado pela NVIDIA, que seria o encontro escolhido para equipar este hipotético Nintendo Switch 2. Mais uma vez, devemos manter uma certa distância desta informação, mas o Tegra T239 Orin seria gravado em 8 nm e teria 2.048 núcleos Cuda, enquanto as últimas revisões do Switch usam um Tegra T214 gravado em 16 nm e equipado apenas com 256 núcleos Cuda.

A Nintendo não está há muito tempo na corrida ao poder com a Microsoft e a Sony, mas se estes rumores se confirmarem, ainda marcaria um claro salto técnico para a empresa japonesa, especialmente porque se fala de uma mudança de geração na arquitectura gráfica associada ao Tegra, que passaria do envelhecimento do Maxwell para o actual Ampere encontrado na GeForce RTX 3000. Isto não é surpreendente, pois a Nintendo precisaria de uma solução gráfica com núcleos Tensor, que não estão presentes no Maxwell, para poder utilizar DLSS.

Isto foi tudo o que foi necessário para alguns observadores já imaginarem um Switch Pro ou Switch 2 capaz de usar DLSS, mas também equipado com características de traçado de raio. O facto é que a Nintendo ainda não mencionou nada sobre uma hipotética substituição do Switch e que provavelmente ainda pretende tornar o Switch OLED que lançou em Outubro de 2021 rentável durante muitos meses (anos?). Paciência, paciência.