O consumo grosseiramente subestimado do centro de dados holandês da Microsoft causa controvérsia

Vignette
Escrito por Guillaume
Data de publicação : {{ dayjs(1661529654*1000).local().format("L").toString()}}
Este artigo é uma tradução automática

A propagação dos centros de dados e o seu poder crescente levanta muitas questões ambientais... todas elas ainda estão longe de ser respondidas.

Isto é sobre os Países Baixos, mas as notícias que estão a fazer manchetes nos Países Baixos dizem realmente respeito à maioria dos países que acolhem centros de dados. Neste caso, tratava-se de um artigo publicado no jornal Noordhollands Dagblad jornal que accionou o rastilho. O jornalista menciona uma subestimação dramática das necessidades de água de um centro de dados na Holanda do Norte. Propriedade da Microsoft, a instalação alega consumir entre 12 e 20 milhões de litros de água por ano.

Embora o número possa parecer grande, na realidade é muito subestimado e o jornalista fala de um consumo real de 84 milhões de litros de água por ano. A discrepância entre a informação oficial e a revelação do jornal é já um problema, mas para piorar a situação, a informação aparece no meio de uma seca quando o país faz muitas perguntas sobre o seu futuro. Nos Países Baixos, onde parte da terra se encontra abaixo do nível do mar, o Verão de 2022 terá sido uma época de maior sensibilização para a questão da água.

Numa altura em que se pede à população que faça um esforço para reduzir o desperdício e o consumo, uma mentira de tal magnitude é ainda mais difícil de engolir quando outro perito - independente e encomendado pela Microsoft - estimou mesmo o consumo de água do centro de dados em mais de 100 milhões de litros de água! Isto foi tudo o que foi necessário para reacender o debate sobre o equilíbrio ecológico dos centros de dados, que já foram várias vezes criticados pelo seu consumo energético, muito do qual é utilizado para arrefecer as instalações. Uma situação que não está prestes a melhorar à medida que os verões se tornam cada vez mais quentes.

Para além da simples polémica, seria sem dúvida uma boa ideia as empresas que constroem e gerem estes centros de dados serem obrigadas a publicar avaliações claras e precisas do consumo de água e energia destas estruturas, para que o debate se possa basear em dados tangíveis. Pensamento positivo?