Com o M2, a Apple assina um processador com uma relação desempenho/watt imbatível

Vignette
Escrito por Guillaume
Data de publicação : {{ dayjs(1657555205*1000).local().format("L").toString()}}
Este artigo é uma tradução automática

A segunda geração de SoCs da Apple traz o melhor desempenho sem um salto no consumo de energia do chip.

Em Novembro de 2020, a Apple apresentou o resultado de muitos anos de investigação e testes. A Apple M1 materializou o desejo da empresa com sede em Cupertino de inovar no mundo dos processadores, a fim de quebrar a sua dependência da Intel. A Apple aproveitou para rever completamente a sua abordagem ao processador, alterando a sua arquitectura, por exemplo, para oferecer uma relação muito melhor entre desempenho e consumo de energia. A M1 foi um grande sucesso, o que logicamente impulsionou a Apple a continuar nesta direcção.

A 6 de Junho, a Apple empurrou o envelope apresentando o chip M2 na Conferência Mundial de Desenvolvedores (WWDC) 2022. Logicamente, o novo SoC assume todas as boas ideias da arquitectura M1 e da ARM, em particular o conceito BIG.little que combina núcleos de alto desempenho para o trabalho mais pesado e núcleos eficientes para tarefas secundárias. A Apple M2 tem quatro núcleos chamados "Avalanche" para desempenho e quatro núcleos "Blizzard" para eficiência energética. A M2 também apresenta melhorias gráficas sólidas com até 10 núcleos de GPU, enquanto a M1 só podia ir até 8. Finalmente, a M2 beneficia de mais RAM (24GB em comparação com 16GB na M1) com 50% mais largura de banda do que a M1 (100GB/s).

Após esta apresentação em que a Apple não picar as palavras, estávamos ansiosos por aprender um pouco mais sobre o desempenho real do chip. O canal Youtube Hardware Unboxed foi um dos primeiros a deitar as mãos a esta M2 através do teste de uma configuração completa. Foram feitas muitas medições para determinar o que o M2 tem realmente armazenado, mesmo que um teste como o Shadow of the Tomb Raider sofra por não ser optimizado para o chip. Este é um problema que afecta os jogos de vídeo em geral: poucos títulos são optimizados e é preciso passar por uma forma de emulação que logicamente não permite que o M2 expresse todo o seu potencial.

Contudo, o M2 já está a ter um bom desempenho e embora não se trate de comparar a sua solução gráfica com uma placa dedicada GeForce RTX, a ficha da Apple vence o seu duelo com a AMD Ryzen 7 6800U, que já é uma boa APU. Assim, no Shadow of the Tomb Raider, em 1900 x 1200, ganhamos alguns quadros por segundo, o que equivale a um aumento de cerca de 7 a 10% no desempenho. Apreciável.

Não esqueçamos que este é apenas o primeiro modelo do chip M2. A Apple irá muito provavelmente oferecer as versões Pro, Max e Ultra num futuro próximo, tal como fez com a M1. É claro que, entretanto, o M2 está em dificuldades em testes multithreaded em comparação com o seu predecessor nas suas versões divididas. No entanto, o desempenho com uma única rosca - como visto acima com o Cinebench R23 - é muito agradável.

O software de ampliação de imagem da Topaz Labs, Gigapixel AI, confirma que mesmo com uma contagem de núcleo/linha inferior à da concorrência, a arquitectura do M2 e as optimizações da Apple permitem-lhe competir com um Intel i9-12900HK sem qualquer vergonha. O M2 apresenta mais uma vez o Ryzen 7 6800U e bate o Intel i7-12700H por uma margem muito estreita. O último teste realizado pela Hardware Unboxed não é claramente o menos interessante: o consumo de energia.

Medido no teste multithreaded Cinebench R23, o consumo de energia do chip M2 é simplesmente espantoso. O chip Apple é simplesmente o melhor em termos de pico de consumo de energia e não está muito atrás do Core i7-1165G7 / Ryzen 7 6800U (15W) em termos de consumo sustentado de energia. Se comparar o consumo de energia com o desempenho dos chips, pode ver a que distância está a Apple a este respeito: no benchmark Gigapixel AI da Topaz Labs, o Core i7-1165G7 estava muito atrás e o Ryzen 7 6800U (15W), embora mais interessante, foi batido na sua vez.

Tal eficiência energética é um bom augúrio para o objectivo da Apple para o seu chip: equipar as novas gerações de computadores portáteis Mac Book. Além disso, não vamos asfixiar o nosso prazer, pois os desafios ambientais - e portanto energéticos - de amanhã irão empurrar a indústria para fazer esforços cada vez maiores no sentido de produzir chips com maior eficiência energética.