GDP Win Max 2: a meio caminho entre um convés a vapor e um portátil

Vignette
Escrito por Guillaume
Data de publicação : {{ dayjs(1657468831*1000).local().format("L").toString()}}
Este artigo é uma tradução automática

É um eufemismo dizer que o lançamento do Steam Deck deu um impulso a pequenas máquinas híbridas que lhe permitem levar consigo a biblioteca do seu PC para todo o lado.

Fabricantes como AYANEO e AOKZOE decidiram construir sobre o sucesso do Deck Vapor. A máquina concebida pela Valve parece um Nintendo Switch, mas acima de tudo oferece uma forma compacta de se ligar à sua conta Steam e desfrutar dos jogos a ela associados nas férias, no comboio, no fim-de-semana, no avião... e mesmo na casa de banho. Mas enquanto o Steam Deck parece uma consola, como AYANEO e AOKZOE fizeram, o GPD prefere oferecer um produto que esteja mais próximo de um portátil.

O GPD não está na sua primeira tentativa e enquanto outros estão a tentar reproduzir o sucesso da Valve, o fabricante está a tentar distinguir-se. A sua última máquina ainda não foi lançada, mas o Win Max 2 deverá em breve beneficiar de uma campanha de financiamento participativo na plataforma Indiegogo. Será então possível optar por uma das cinco versões imaginadas pelo GPD: quatro são baseadas na arquitectura AMD (Ryzen 7 6800U) enquanto que uma se volta para a Intel (Core i5-1260P). Independentemente da plataforma, a memória pode estar entre 16GB e 32GB, enquanto no lado SSD, a escolha é entre um modelo de 128GB, um modelo de 1TB e um modelo de 2TB. Os preços vão variar entre $899 e $1299 durante a campanha de Indiegogo, mas depois haverá uma pequena sobretaxa.

Em termos de design, o Win Max 2 parece um portátil com dimensões particularmente pequenas. Mede 227 x 160 milímetros e tem um ecrã de 10,1 polegadas com uma resolução máxima de 1600p. Claro que, em comparação com o Steam Deck, o Win Max 2 também se distingue pela presença de um teclado real (exclusivamente QWERTY) e de um trackpad. Isto torna a utilização de um sistema operativo como o Windows ainda mais fácil.

No entanto, o GPD tem a ideia de fazer do seu Win Max 2 uma verdadeira máquina de jogo que não deve invejar o Steam Deck. O fabricante está a contar com a potência do Core i5-1260P e do Ryzen 7 6800U, mas também com a integração de um verdadeiro gamepad nos lados do trackpad. A ideia é interessante, especialmente porque o GPD forneceu duas pequenas capas para esconder a jogabilidade e duas slots para guardar estas capas e evitar perdê-las ao jogar. É uma máquina cara, mas que poderia encontrar o seu público graças ao seu impressionante equipamento: três portas USB-A 3.2, uma porta USB-C 3.2, uma porta USB-C 4, um leitor de cartões SD, um leitor de cartões microSD e, finalmente, um modem opcional 4G LTE.