Lei do Estado de Nova Iorque introduz a assinatura da Internet para os mais pobres

Vignette
Escrito por Guillaume
Data de publicação : {{ dayjs(1619020831*1000).local().format("L").toString()}}
Este artigo é uma tradução automática

Porque o acesso à Internet já não é considerado um "luxo", mas uma necessidade quase "essencial".

Com repetidos confinamentos e incentivos para trabalhar em casa, a pandemia de Covid-19 mudou significativamente os nossos estilos de vida. Assim, mesmo nos Estados Unidos - onde as restrições foram por vezes opostas pela população - levantaram-se vozes para denunciar mudanças mais difíceis de suportar para certas populações, em particular as mais pobres, e o custo da assinatura da Internet foi proposto por alguns, enquanto que uma assinatura de banda larga é significativamente mais cara do que na Europa e, ainda mais, do que em França.

O Estado de Nova Iorque, que muitas vezes está à frente dos outros em termos de benefícios sociais, considerou assim a questão de uma subscrição para as famílias de baixa renda. O assunto foi finalmente resolvido em 16 de abril com a assinatura por Andrew M. Cuomo - Governador do Estado de Nova York - deuma nova lei que exige que todos os provedores de serviços de Internet ofereçam uma assinatura de banda larga a um valor máximo de 15 dólares por mês. Para beneficiar disto, você já deve ser elegível para certos programas de assistência estaduais ou federais.

Segundo as autoridades, a medida deveria beneficiar cerca de 7 milhões de habitantes do Estado e dizer respeito a um total de 2,7 milhões de lares. De facto, é de notar que, do outro lado do Atlântico, o acesso à Internet de banda larga custa mais de 50 dólares por mês, mesmo para ofertas "low cost". Na verdade, em todo o país, 43% dos lares que ganham menos de 30.000 dólares por ano não estão ligados à Internet em casa, e outros 26% dos que ganham entre 30.000 e 50.000 dólares por ano. Sem surpresas, a divisão digital é muito mais prevalente entre os lares minoritários mais pobres: apenas 66% dos lares negros, 61% dos lares hispânicos e 53% dos lares indígenas americanos estão ligados em casa, enquanto esta proporção sobe para 79% para os brancos.

O governador do Estado justifica esta lei pelo carácter "necessário" da ligação à Internet: necessário para realizar a educação à distância, necessário para o teletrabalho e também necessário devido ao desenvolvimento da telemedicina.