Comissão Europeia multa 6 editoras de jogos de vídeo por bloqueio geográfico

Vignette
Escrito por Guillaume
Data de publicação : {{ dayjs(1611334857*1000).local().format("L").toString()}}
Este artigo é uma tradução automática

Os países da União Europeia formam um mercado único e indivisível... mesmo para as editoras de videojogos que gostam de compartimentar a distribuição das suas obras.

Em Abril de 2019, a Comissão Europeia lançou uma investigação para determinar se as editoras de jogos de vídeo se tinham ou não envolvido em comportamentos anticoncorrenciais. A Comissão decidiu analisar os bloqueios geográficos implementados por algumas empresas de videojogos. Empresas que impediram que os jogos comprados na Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Polónia, República Checa, Roménia ou Eslováquia fossem utilizados fora destes países. Porquê um tal bloqueio? Porque os preços praticados nestes países não são os mesmos que na Alemanha ou em França, por exemplo.

Os editores em questão queriam impedir que jogadores alemães ou franceses comprassem jogos mais baratos ligando-se - geralmente via VPN - às plataformas dos países em questão. A Comissão Europeia confirmou assim que tal prática - a do bloqueio geográfico - vai contra as regras estabelecidas em todo o mercado único europeu: uma empresa não tem o direito de criar uma barreira dentro da União Europeia.

Mais especificamente, Bandai Namco, Capcom, Focus Home Interactive, Koch Media, Valve e ZeniMax (a empresa-mãe de Bethesda) foram alvo das multas decididas pela Comissão. Valve e ZeniMax foram multadas em 1,6 milhões de euros cada, enquanto a Koch Media teve de pagar 1 milhão de euros, a Capcom 396 mil euros e a Bandai Namco 340 mil euros. A Focus Home Interactive é a mais penalizada com uma multa de 2,8 milhões de euros. A Comissão especifica que as empresas que cooperaram ativamente durante a investigação tiveram suas multas reduzidas, o que sem dúvida explica a discrepância entre a Valve e a Focus Home Interactive, por exemplo.